A RIQUEZA DA GASTRONOMINA SUL-AFRICANA

Com a apresentação dos programas da série sobre a África do sul no Menu Confiança, várias lembranças vieram à mente. Para desvendar os segredos dessa região, marcada por uma cozinha rica em contrastes, penso em voltar lá mais vezes. A gastronomia tem raízes nas cozinhas de diferentes colonizadores que passaram por ali ao longo da história. A presença da cultura francesa é uma das mais marcantes e trouxe benefícios à culinária local. Em 1688, um grupo de protestantes refugiados, os huguenotes, instalou-se na zona vinícola hoje conhecida como Franschooek (Esquina dos Franceses). Trouxeram conservas e as técnicas de cultivo da uva na produção de vinhos. No fim do século XVIII, foi a vez de os ingleses ocuparem a península, quando passaram a dominar as navegações na região. Vem desse período o hábito de servir geléias de frutas e molhos com carnes de caça e porco. Ao repertório de sobremesas, foram incluídos tortas e pudins quentes. A culinária na Península do Cabo mescla essas influências. Os pescados, fartos na extensa costa, são explorados em todos os cardápios. As técnicas européias valorizam seu preparo e a herança malaia torna as receitas coloridas, quentes, condimentadas e especialmente aromatizadas pelas especiarias.

A verdade, é que minha agenda de viagem voltou repleta de indicações de bons restaurantes, das quais destaco algumas e divido com o leitor a seguir, para o caso de uma viagem ao País. Eu diria que uma bela forma de começar uma imersão na cultura local, é visitar  o Victoria & Albert Waterfront, um centro de entretenimento na zona portuária de Cape Town, repleto de bares, restaurantes e hotéis de luxo, onde o mercado de alimentos é abastecido pela rica oferta de pescados e especiarias.Frutos do mar como lagosta, camarão, polvo, lula, ostra, mexilhão e inúmeros peixes locais - como kingklip, pescado de águas profundas, carne muito branca e sabor delicado, que está em todos os cardápios na cidade, fazem bonito no local.

Para quem deseja  provar a típica comida africana, um dos mais recomendados é The Africa Cafe. Funcionando em uma antiga casa do Centro, tem ambiente alegre e informal, onde a arte e a cultura africana se traduzem na música, nas pinturas de parede, luminárias, toalhas e louças decoradas. Ali encontram-se pratos de todo o continente africano. A refeição é servida numa espécie de degustação em que todos os pratos são colocados à mesa, em cumbucas, para serem partilhados pelos clientes. É um verdadeiro banquete, que inclui uma seleção de dezesseis itens, além de sobremesa. Destaque para  os "tunisian briouats" - deliciosos pastéis de massa phyllo recheados com cebola e batatas crocantes. O ethiopian iab é um dip de queijo coalho e ervas frescas.

Ainda ficam sugestões de alta gastronomia como o restaurante da chef Margot Janse, no Relais & Chateaux Le Quartier Français(Franschooek); o 95 Keerom, em Cape Town (chef: Giorgio Nava);  Auberge Michel, Johannesburg (chef: Frederic Leloup) ;  Bosman's, Cape Town (chef: Frank Zlomke); La Colombe, Cape Town (chef: Franck Dangereux) ; Reuben's, Cape Town (chef: Reuben Riffel) , entre tantos outros maravilhosos.


 

:: A Arte de temperar

:: Lembrança de natal em Paris


:: A Capital mundial do Frango

:: Caça com sabor de aventura

::Queijo: uma    paixão sem    limites